terça-feira, 1 de setembro de 2009

Um crente

Quero ser crente. Não quero ser conhecido apenas como alguém que “não fuma, não bebe e não joga”. Isso é muito pouco. A geração saúde que freqüenta academias e só come alimentos naturais, também não bebe, não joga e não fuma, e nem por isso pode ser chamado de crente.

Também não me contento em ser chamado de crente por ter um modo diferente de me vestir. Durante muito tempo, no Brasil, a diferença que os crentes mostravam era que se vestiam de maneira “esquisita” e isso acabou virando doutrina e mais tarde ainda, tornou-se motivo de chacota e que em nada o Reino de Deus era engrandecido. Com certeza, usar uma roupa fora do normal à época não torna ninguém crente. Também não gosto de modelo “gospel” que há hoje em dia. Broche de Jesus, caneta de Jesus, meias e outros de Jesus. Sabe-se lá mais o que, nem onde vai parar. Tem gente ganhando dinheiro nesse mercado de aparências. Usar todo um aparato correlato não faz de ninguém um crente.

Pensei outro dia: a moçada crente está na Internet. Saí à busca de uma sala de bate-papo evangélico. Confesso que fiz várias tentativas. Porém, quando consegui, sem êxito, busquei penetrar em assuntos importantes, profundo que nos edificassem. Surpreso, vi, que as respostas eram chavões o tempo todo “Oh glóooooria”, “ta amarrado” e “tremendo” etc... Definitivamente repetir chavões o tempo todo também não faz de ninguém um crente. Quero ser um crente diferente! Que não seja um alienado da vida e de seus acontecimentos. Mas, que saiba discernir e entender as questões existenciais, como a dor, a miséria, a fome, a paixão, o amor. Quero ser crente que não viva acuado com medo de tudo, vendo o diabo em toda parte e tentando amarrá-lo a todo instante. Pois, Jesus já o derrotou no calvário. Portanto, não preciso mais me preocupar com ele.

Quero ser um crente que saiba falar de tudo que nos cerca e não apenas de religião. Que tenha sabedoria e conhecimento de tudo na nossa contemporaneidade. Quero ser crente que não tenha atitudes conformistas, do tipo: É, Deus quis assim! Mas que eu seja um agente de transformação nas mãos de Deus. Que a minha diferença não seja na roupa, mas na essência, e que reflita Deus.

Quero ser um crente reconhecido por todos pelo que sou, nunca pelo que não faço. Quero ser um crente afável, agradável, hospitaleiro, que se entristece com a dor alheia e que se jubila com as vitórias de outrem. Não quero viver dizendo que sou crente, mas que todos vejam e percebam que Cristo habita em mim.

Alvacir Nobre Praxedes
(Alvacir Praxedes é pastor em Natal-RN)

Retirado do Space PRELÚDIO DA GRAÇA - do Pastor Paulo Rufino